Suspeito morre em confronto com policiais militares na Colônia Santo Antônio
21 de fevereiro de 2021
Flamengo vence Inter de virada e assume a liderança do Brasileiro
22 de fevereiro de 2021

Cresce movimento contra fechamento do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros, em Volta Redonda

A Associação de Moradores do Bairro Açude II (Amaba) e a Comissão Pró Colégio Militar do Corpo de Bombeiros estão se mobilizando através de um abaixo assinado com aproximadamente mil assinaturas para tentar evitar o fechamento do 1º Colégio Militar do Corpo de Bombeiros de Volta Redonda, onde funcionava o antigo Ciep Maria de Lourdes Giovanetti (Ciep-403), no bairro Açude, em Volta Redonda.

Segundo o presidente da Associação de Moradores do bairro, Alan Curi, que foi entrevistado pelo radialista Adriano Martins, da Rádio Acesa FM e Rádio Destaque Popular ( online), a luta será em defesa da manutenção do patrimônio e foi lançado no movimento. “O Colégio Militar é Nosso, o Colégio Militar é do Açude”. A comissão Pró Colégio Militar é formada por professores, pais de alunos e militantes na área educacional do município do estado.

Segundo o movimento para manter o colégio, a Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro se nega a fornecer professores para os alunos do primeiro ano do ensino médio.

O colégio foi inaugurado no dia 3 de junho de 2019, com a presença do governador anterior, Wilson Witzel e do secretário Estadual de Educação, também anterior, Pedro Fernandes. A escola foi criada através do decreto 46592/19.

A base nacional curricular é formada pelas disciplinas de matemática, física, química, biologia, educação física, geografia, história, língua português, língua estrangeira, filosofia e sociologia. O núcleo específico é formado pela disciplina de ordem unida, prática esportiva, símbolos nacionais, hinos e canções, história dos bombeiros, civismo, prevenções acidentes, noções de primeiro socorros, noções de defesa civil e saneamento do meio ambiente, dentre outros.

Para o ano letivo de 2019 foram disponibilizadas 60 vagas que envolvem um trabalho coordenado entre as secretarias do estado de defesa civil e a secretaria do estado de educação, Os estudantes possuem entre 13 e 16 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *