Volta Redonda lançará programa de combate às drogas nas escolas
27 de outubro de 2017
Começam as obras de recapeamento asfáltico no bairro Freitas Soares
30 de outubro de 2017

Governo renegocia dívida de 100 mi de dívidas da Cohab

Prefeitura renegocia dívida com a Caixa Econômica Federal; Samuca Silva afirma que diálogo foi fundamental

O contrato da renegociação da dívida da Cohab (Companhia de Habitação de Volta Redonda) com a Caixa Econômica Federal foi assinado pelo prefeito Samuca Silva e representantes do banco federal. A assinatura aconteceu na tarde desta quinta-feira, dia 26, no Palácio 17 de Julho. A dívida total da Companhia chegava a R$ 222 milhões. Dos quais, R$ 100 milhões serão divididos em 235 parcelas, com autorização da lei municipal, e R$ 95 milhões serão quitados com crédito que a Cohab tem com FGVS (Fundo Garantidor de Variações Salariais), do Governo Federal. A Caixa, por sua vez, deu um desconto de R$ 27 milhões.

Samuca Silva destacou que o diálogo foi fundamental para renegociar uma dívida histórica, que chega a ter mais de 20 anos. “Lamento que a cidade de Volta Redonda tenha chegado a esse ponto de dívida. Mas, com diálogo, chegamos num denominador comum. Essa gestão assumiu a dívida e fiz questão de renegociar com o banco. Agradeço o empenho da equipe da Caixa e da Cohab. Agradeço também aos vereadores que aprovaram a lei que autorizou a negociação”, frisou.

teste teste

José Nilton Lima, gerente do FGTS da Caixa no Rio de Janeiro, concordou e complementou: “A importância dessa renegociação é que conseguimos trazer recurs

os ao FGTS que volta para sociedade como obra de saneamento, habitação e infraestrutura”, disse.

Além da saída do CauC (Cadastro Único de Convênios), que é o SPC e Serasa das prefeituras, o governo municipal fica regularizado com o FGTS, podendo firmar outros convênios com a União.

“A renegociação de dívida é um trabalho que não aparece muito para a população em curto prazo, mas estamos assumindo as dívidas do passado. Junto a isso, estamos pagando rigorosamente em dia todos os nossos fornecedores e vamos fechar o ano com um superávit, depois de três anos de déficit financeiro, cumprindo as obrigações e não deixando nenhum serviço faltar”, destacou o prefeito.

‘Minha Casa, Minha Vida’ começará em 30 dias e vai gerar 180 empregos

Na ocasião, Samuca anunciou que as obras do ‘Minha Casa, Minha Vida’, do bairro São Sebastião, começarão em 30 dias. Nesta quinta-feira, dia 26, ele autorizou a contrapartida do governo que foi o terreno onde será construído o conjunto habitacional. Segundo Fernando Rabello, presidente da Cohab de Volta Redonda, serão investidos mais de R$ 16 milhões para a construção de 176 apartamentos. As obras, que devem durar 18 meses, vão gerar mais de 180 empregos diretos.

“A família que se interessar em adquirir o apartamento precisa se cadastrar no site da prefeitura (www.voltaredonda.rj.gov.br) para entrar no cadastro habitacional. A seleção das famílias ocorrerá até julho de 2018, através deste cadastro. É necessário que a renda familiar seja de até R$ 1,8 mil por mês”, explicou Fernando Rabello.

Além da renda, a União estabelece critérios que somam pontos para que o cidadão seja contemplado com a residência: ter mulher como chefe de família; ser deficiente e morar em área de risco. O município, por sua vez, também estabeleceu outros três critérios. São eles: ser morador de Volta Redonda há mais de cinco anos; famílias que têm idosos e ser beneficiado do Bolsa Família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *