Escolas municipais de Volta Redonda retomam aulas no dia 5 de fevereiro
22 de janeiro de 2018
Carnaval de Rua em Volta Redonda começa no próximo fim de semana
22 de janeiro de 2018

Dois micos foram encontrados mortos em Barra Mansa

Suspeita principal é que tenham sido mortos por moradores que os associam com a febre amarela; animais serão encaminhados para Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman no Rio de Janeiro

A Vigilância em Saúde Ambiental de Barra Mansa recolheu nesse fim de semana dois micos mortos. O primeiro foi achado na última sexta-feira, dia 19, no bairro São Luiz. O segundo foi identificado neste domingo, dia 21, no bairro Ano Bom. Os dois animais foram levados para a Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental, no bairro Boa Sorte, onde foram congelados e acondicionados em caixas térmicas para serem transferidos nesta terça-feira, dia 23, para o Instituto Municipal de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman, no Rio de Janeiro, para serem examinados. O resultado, que indicará a causa da morte, deve ficar pronto de 15 a 30 dias.

Segundo o coordenador de Vigilância em Saúde Ambiental e médico veterinário, Maurício Iencarelli, a equipe foi acionada na manhã de sexta-feira, dia 19, por um telefonema de um morador do bairro São Luiz para retirar o mico encontrado morto no quintal de sua residência. “De acordo com o morador, o mico havia sido visto cambaleando há dois dias, e que naquela manhã, ele o encontrou morto dentro de um armário quebrado em seu quintal”, explicou. O animal estava em estágio avançado de decomposição (putrefação), e não foi possível detectar a causa mortis.

No domingo, dia 21, a equipe foi novamente chamada para recolher um mico morto, dessa vez numa casa na localidade conhecida como Retorno – na altura da Vila Delgado -, no bairro Ano Bom. Segundo a médica veterinária da Vigilância em Saúde Ambiental, Millena Borges, o animal estava em início de decomposição e apresentava um ferimento na região abdominal similar a uma perfuração de arma de pressão (carabina).

A suspeita é que tenham sido envenenados e mortos por moradores que associam a febre amarela ao primata. O médico veterinário Maurício Iencarelli, destaca que os macacos não transmitem a febre amarela. “É importante reforçar a todos os moradores que os macacos servem de alerta de um indicador da doença. Quem transmite a febre amarela é o mosquito, eles são vítimas assim como os humanos. Eles são suscetíveis ao vírus e a infecção confirmada ajuda elaborar a prevenção da doença nas pessoas”, explicou o coordenador de Vigilância em Saúde Ambiental.

Crime Ambiental

A Lei nº 9605/98 no artigo 32 diz que praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos pode gerar de três meses a um ano de detenção, e multa.

Denúncias

Ao encontrar macacos mortos ou doentes (que apresenta comportamento anormal, que está afastado do grupo, com movimentos lentos etc.), o morador deve informar o mais rápido possível à Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental situada à Rua Getúlio Borges Rodrigues, 210, no bairro Boa Sorte ou pelo telefone (24) 3326-2588.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *