Dia do Desafio terá atividades físicas  e de lazer na Praça Teixeira Brandão
28 de maio de 2019
Orquestra Sinfônica recebe solistas para concerto em Barra Mansa
28 de maio de 2019

Meio Ambiente de Barra Mansa promove bate-papo sobre animais peçonhentos

Ação teve como foco orientar a população sobre a importância desses animais no equilíbrio ambiental e os riscos de extinção

O Parque Natural Municipal de Saudade sediou na tarde desta terça-feira (28), um bate-papo ambiental sobre animais peçonhentos. A iniciativa, promovida pela Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, teve a finalidade de orientar os participantes sobre medidas preventivas a serem adotadas ao se depararem com um animal peçonhento, além dos procedimentos realizados em casos de picadas e dicas sobre como capturá-los.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Carlos Roberto de Carvalho, o Beleza, um animal peçonhento não irá atacar se as pessoas não se aproximarem de seu habitat natural ou provocá-lo. “É sempre viável evitar locais que são abrigos para estes animais, a orientação é que ao se depararem com um, não tentem contato ou ataque, pois como mecanismo de defesa ele irá se defender. Em casos de animais silvestres em ambientes domésticos, o mais viável é entrar em contato com a secretaria e informar, para que possamos capturá-los e enviá-los para seu ambiente natural”, destacou o secretário, informando que esses casos podem ser relatados através do telefone da secretaria (24) 2106-3406.

Beleza ainda orientou sobre o que fazer em casos de picada. “Em casos de ataque com picada, a vítima deve lavar o local e não fazer pressão, em seguida, ser encaminhada para a Santa Casa de Misericórdia de Barra Mansa. Lá ele receberá todo atendimento necessário e, se caso não houver o soro antiofídico, o medicamento será solicitado no estoque da região que fica em Resende”, completou.

Segundo o médico veterinário e palestrante do evento, Flávio Jacob, o maior objetivo desta ação é orientar a população sobre como se portar diante de uma situação de encontro com esses animais, além de diferenciar os peçonhentos dos não peçonhentos. “Precisamos também tentar diminuir o medo excessivo nas pessoas em relação a esses animais, mostrando a própria utilidade desses deles no equilíbrio ambiental e sua contribuição para a medicina, a partir de seu próprio veneno. Esse é um meio protegê-los do pânico criado em torno deles”, concluiu.

De acordo com o Artigo 29 da Lei 9605 de 12 de fevereiro de 1998, de Crimes ambientais, matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida, terá como penalidade detenção de seis meses a um ano, e multa.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *