Paraty e Ilha Grande conquistam título de Patrimônio Mundial da Unesco
5 de julho de 2019
Mutirão de revitalização continua com várias frentes de trabalho na Vila
5 de julho de 2019

Corredor Cultural recebe mais uma exposição em Volta Redonda

A secretaria de Políticas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos de Volta Redonda realizou a abertura de mais uma exposição no seu Corredor Cultural. Com o tema ‘Identidade e Potência Cultural’, a exposição foi organizada pela pasta de Igualdade Racial da secretaria e contou com o lançamento do livro “Zípora (Esposa de Moisés): Era Negra Africana Sim”, do autor Mestríssimo Pedro d’Água Limpa; e exposição fotográfica do Projeto Crespura – Padre Josimo, além de mostrar artigos da cultura cigana.

O Mestríssimo Pedro D’Água Limpa, autor do livro “Zípora (Esposa de Moisés): Era Negra Africana Sim”, falou um pouco sobre o projeto e da importância de resgatar os personagens negros na história. “O que importa aqui é resgatar a cultura. Nesse livro eu busco chamar atenção dos personagens negros existentes na bíblia”, disse.

De acordo a assistente social do CRAS (Centro de Referencia em Assistência Social), do bairro Padre Josimo, Ana Carolina Coelho, responsável pelo Projeto Crespura, a ideia surgiu dentro de um dos projetos oferecidos pelo CRAS.

“O projeto é muito mais do que as fotos, porque antes de chegar nesse resultado foi realizado todo um trabalho com as meninas, resgatando a autoestima delas. O projeto é para a gente se reconhecer como população miscigenada”, disse Ana Carolina.

O Corredor Cultural é um espaço aberto aos artistas de nossa cidade com o objetivo de dar visibilidade tanto às artes, quanto às pastas atendidas em na Secretaria.

A responsável pela divisão de Políticas de Promoção de Igualdade, Juliana Rodrigues, esse espaço tem o ambiente propício para falar sobre igualdade racial. “A partir do momento que a população vier para conhecer o corredor, a gente aproveita para conversar e ouvir da população quais são as necessidades”, disse Juliana.

“A gente percebe que com o passar do tempo e o desenvolvimento desse corredor cultural, ele está começando a se tornar além de cultural, também está começando a fazer parte de um processo terapêutico. É um momento em que as pessoas começam a refletir sobre as políticas apresentadas”, contou Dayse Penna, secretária de Políticas para Mulheres, Idosos e Direitos Humanos de Volta Redonda.

Para o prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, a cultura e o respeito são fundamentais para a sobrevivência da história da cidade. “Quando a gente vê uma exposição belíssima como essa, vemos como a SMIDH e toda a equipe pela intensidade do carinho com que vem tratando todas as questões da pasta”, falou o prefeito.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *