Empresário Irineu Nogueira é pré-candidato a prefeito de Itatiaia
9 de agosto de 2020
Pré-candidato a vereador defende a participação popular na elaboração de projetos
9 de agosto de 2020

Serviço de abordagem a pessoas em situação de rua acontece no fim de semana

Equipes de Ação Comunitária e Saúde de Volta Redonda buscam criar vínculos de confiança para que esses moradores ingressem na rede de proteção do município

A Prefeitura de Volta Redonda promove busca ativa às pessoas em situação de rua com objetivo de estabelecer vínculos de confiança para convencer as pessoas a saírem da situação de rua e ingressarem na rede de proteção do município ou promover a reinserção familiar. O trabalho é realizado em conjunto por equipes da Secretaria de Ação Comunitária (Smac), por meio do Departamento de Proteção Social Especial, e da Secretaria de Saúde (SMS), com o programa Consultório na Rua, que faz parte da Atenção Básica à Saúde.

Neste fim de semana, as abordagens foram realizadas nos bairros Aterrado e Voldac. A equipe do Serviço de Abordagem Social da Smac contou com uma assistente social e um educador e o Consultório na Rua oferece atendimento multidisciplinar com médico, enfermeiro, psicólogo, assistente social, técnico de enfermagem, funcionário administrativo e motorista. No Aterrado, o foco foi um casal que vive na Praça Mário Ferreira Torres; e na Voldac, a equipe acompanha um idoso que também vive em uma praça do bairro.

De acordo com o secretário municipal de Ação Comunitária, Ailton carvalho, o serviço, ofertado diariamente pela secretaria, foi ainda mais intensificado por conta da pandemia da Covid-19, pela situação de vulnerabilidade dessas pessoas. “O objetivo do trabalho é de identificar as situações de risco social e pessoal. Fazer a aproximação, ofertando escuta qualificada e construir vínculo com eles. A equipe articula com a rede de serviços socioassistenciais, e demais políticas públicas, os encaminhamentos necessários para essas pessoas”, explicou o Ailton.

O serviço, que funciona toda segunda e terça-feira das 13h às 17h; quarta-feira das 15h às 21h; quinta e sexta-feira das 8h às 14h; atua em sistema de plantão aos sábados e domingos, beneficiando em torno de 60 pessoas por mês, entre idosos, adultos, crianças e adolescentes. Ele é ofertado de forma continuada e programada, com a finalidade de assegurar o trabalho social de abordagem e busca ativa, que identifique na cidade a incidência de situações de risco pessoal e social, por violação de direitos, como trabalho infantil, exploração sexual de crianças e adolescentes, situação de rua, uso abusivo de drogas e álcool, dentre outras.

Em caso de aceitação de sair da rua, moradores contam com uma rede completa de assistência. Eles são encaminhados para o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, o Centro POP, que fica no bairro Aterrado e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h; o Abrigo Municipal Seu Nadim, no bairro Nossa Senhora das Graças; ou para o abrigo temporário localizado na Arena Esportiva, no bairro Niterói, implantado especialmente para atendimento durante a pandemia da Covid-19.

O Centro Pop proporciona serviços de higiene pessoal, alimentação, retirada de documentos, contato familiar e atendimento psicossocial. O Abrigo Municipal Seu Nadim é um espaço de acolhimento provisório para adultos munícipes em situação de rua, encaminhados pelo Centro Pop, para resgatar os vínculos familiares, sociais e comunitários, assegurando a autonomia dos usuários. No abrigo criado para a proteção da população em situação de rua na Arena Esportiva, a estrutura conta com um espaço de isolamento para aqueles que apresentem sintoma suspeito de Covid-19.

O prefeito Samuca Silva acredita que a atuação da equipe de abordagem de rua tem sido fundamental neste período de pandemia. “É um momento difícil para todos, mas afeta mais cruelmente quem vive nas ruas, sem condições básicas de higiene. Os profissionais do serviço de abordagem insistem no convencimento diário para proteger pessoas que se encontram em situação de rua, mas a decisão de aceitar acolhimento é da própria pessoa. Eles têm o direito assegurado por lei de permanecerem nas ruas, se quiserem. A obrigação do poder público é apresentar a rede de assistência”, explicou o prefeito. Secom/VR com fotos de Felipe Carvalho

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *