Deputado Jari cobra conclusão da obra no entroncamento da BR-393 com a Radial Leste em Volta Redonda
18 de novembro de 2023
Com menos inflação, comércio espera recorde de vendas na Black Friday
18 de novembro de 2023


Sarah Higino vai reger Orquestra Sinfônica de Minas Gerais no Dia da Consciência Negra

Maestra de Volta Redonda já está em Belo Horizonte, ensaiando com os músicos o repertório formado por composições de negros e afrodescendentes

A maestra Sarah Higino, uma das coordenadoras do Volta Redonda Cidade da Música e regente da orquestra e coro do projeto, estará à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais em concerto pelo Dia da Consciência Negra, na próxima segunda-feira (20). A apresentação faz parte da série Concertos da Liberdade – Sinfônica em Concerto e acontecerá no Grande Teatro Cemig Palácio das Artes, no Centro de Belo Horizonte.

A regente de Volta Redonda, que trabalha pela primeira vez com a Orquestra de Minas Gerais, está em Belo Horizonte desde o início da semana, ensaiando com o grupo. A fim de lembrar a luta por uma sociedade antirracista e mais igualitária, a orquestra vai interpretar um programa formado por obras de compositores negros e afrodescendentes, como o britânico Samuel Coleridge-Taylor (1875-1912) e os cariocas Chiquinha Gonzaga (1847-1935) e Anderson Alves, além de músicas com raízes históricas e artísticas afro-brasileiras, como as obras de Lorenzo Fernández (1897-1948) e Gilson Santos.

A pianista e regente vê na arte uma importante ferramenta de democratização de oportunidades e inclusão social. Sarah Higino desempenha um papel fundamental no projeto Volta Redonda Cidade da Música, que beneficia cerca de quatro mil jovens com o ensino de música – tendo coordenado, durante a pandemia, um intercâmbio entre o projeto e a Orquestra Sinfônica Nacional. Além disso, é uma defensora ativa da cultura afro-brasileira e tem participado de webnários que promovem o respeito e a luta por uma sociedade mais inclusiva.

“Considero como missão o fato de os jovens terem referências em qualquer ambiente. Então, é gratificante quando entramos em uma sala de aula e vemos crianças e jovens tocando violino, violoncelo e viola, entre outros, por notar que eles perceberam a música como uma possibilidade de vida futura, não importando a cor da pele”, disse. Fotos de divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *